Marília Mendonça poderá ser homenageada em “Pantanal”

3.122

A cantora sertaneja Marília Mendonça que morreu no último dia 5 de novembro poderá fazer parte da trilha sonora da novela Pantanal que estreia em março

A cúpula da TV Globo já alinha detalhes da trilha sonora de Pantanal, novela que é a sua maior aposta da sua dramaturgia dos últimos tempos. Escrito por Bruno Luperi, neto do autor da versão original, Benedito Ruy Barbosa, a trama tem estreia prevista para março e conta com nomes de peso em seu remake como Renato Góes, Marcos Palmeira, Alanis Guillen, Juliana Paes, José Loreto, Jesuíta Barbosa, Dira Paes entre outros.

Com relação à trilha sonora, a direção da novela comandada por Rogério Gomes está sendo bem cuidadosa. Almir Sater é um dos responsáveis pela trilha incidental da novela, e algumas canções que fizeram parta de versão original devem ser mantidas como “Comitiva Esperança” de Sérgio Reis, “Saudade” Renato Teixeira e“Chalana” do próprio Almir.

Também devem fazer parte da trilha sonora a canção “Tocando em frente” que na versão original foi interpretada por Maria Betânia e deve ganhar uma nova voz na versão que estreia em março.

O Movimento Country apurou com exclusividade que nomes como Paula Fernandes, Leonardo, Chitãozinho e Xororó, Zezé Di Camargo e Marília Mendonça deverão fazer parte da trilha sonora deste remake. Para a Globo, a participação de Marília seria a espécie de uma grande homenagem à cantora que mudou a cara da música sertaneja e que é apontada por especialistas como a maior cantora sertaneja dos últimos tempos.

A cidade cenográfica da novela ocupa 20 mil metros quadrados do antigo Projac onde foram reproduzidos cada detalhe do Pantanal. Com direito a cachoeira e a riacho. Pantanal desbancará a maior cidade cenográfica que foi construída até agora, que foi o da novela O Sétimo Guardião (2018/19), trama de Aguinaldo Silva

Outro detalhe que chama a atenção são os cenários fixos que ficarão abrigados nos Estúdios do MG4. Dentre esses cenários estão a casa de Juma Marruá (Alanis Guillen), uma das protagonistas da história de Benedito Ruy Barbosa.

Sérgio Reis relembra convite para participar da novela

 

(Foto: Reprodução Instagram)
(Foto: Reprodução Instagram)

Após assumir que não queria gravar o sucesso “Pinga Ni Mim”, o cantor Sérgio Reis, que será homenageado no remake da novela Pantanal por seu papel na trama original da novela, contou detalhes exclusivos da época, que contou com lutas contra cobras e jacarés e um verdadeiro pé de guerra para fazer Almir Sater compor o elenco.

“Pantanal foi ‘A Novela’, porque foi feita lá no local. Não teve estúdio, nada. Muito pouca coisa em estúdio. Passamos um ano lá dentro (do Pantanal) com jacarés querendo pegar a Juma e eu meti o pé na cabeça dele, é a realidade, não brincadeira. Eu quem pegava as cobras que aparecia porque eu vivi 18 anos no Pantanal. A gente trabalhava mas se divertia”, declarou se referindo aos locais de gravação e imprevistos.

Sérgio Reis ainda contou que Almir Sater não queria fazer a novela, mas ele deu um jeitinho de convencê-lo: “O Almir não quis fazer a novela, é bom que o povo saiba disso! Eu falei com o Benedito Ruy Barbosa e indiquei o Almir porque o cara é um baita violeiro, é pantaneiro, sabe tudo lá dentro (…) mas o Almir não queria ir, aí eu liguei pra ele e falei: ‘Você vai viver um ano lá, vai pescar, ganhar e ainda vai beijar umas moças bonitas, o que mais você quer?’ e ele aceitou na hora”, terminou aos risos.

Assista ao trecho completo: